ShopTorres

segunda-feira, 15 de março de 2010

Gene confere naturalmente infravermelho para cobras

15/03/2010 - 09h00

Gene confere naturalmente radar infravermelho para cobras

RICARDO BONALUME NETO
da Folha de S. Paulo
O mecanismo celular que permite ao paladar humano identificar algumas substâncias irritantes é o mesmo que, nas cobras, evoluiu para lhes dar a capacidade de localizar presas por meio da radiação infravermelha, afirmam biólogos.
O gene responsável pelas características distintas, segundo um novo estudo, é o mesmo que acabou apelidado de "receptor de wasabi", o forte condimento da culinária japonesa que faz pessoas chorarem se colocarem muito dele no sushi.
Uma equipe de pesquisa nos EUA mostrou agora que o gene equivalente está por trás da capacidade das cobras de localizarem outros animais pelo seu calor que libera infravermelho.
Que as serpentes detectam outros animais usando essa radiação já é algo bem conhecido, mas até agora não se conhecia em detalhe o mecanismo pelo qual elas usam essa espécie de "sexto sentido".

Julius Lab/UCSF  
Foto mostra camundongo detectado pelo mesmo espectro de radiação infravermelha percebido por serpentes

O novo estudo, liderado por David Julius, da Universidade da Califórnia em San Francisco, mostrou finalmente a base molecular dessa habilidade: o gene batizado de TRPA1. Seu trabalho saiu ontem no site da revista científica "Nature" (www.nature.com).
O detector de calor das cobras é um órgão chamado fosseta loreal, localizado entre as narinas e os olhos, um em cada lado da cabeça. "Suspensa dentro de cada uma dessas câmaras ocas está uma membrana fina que serve como uma antena para infravermelho", explicam Julius e colegas.
Privilegiadas
Nem todas as cobras têm essa capacidade. A mais eficiente é uma espécie de cascavel dos EUA e do México, a Crotalus atrox, estudada pela equipe de pesquisadores. Algumas cobras não venenosas, como as jiboias e as pítons, também detectam infravermelho, mas com sensibilidade entre cinco a dez vezes menor do que as cascavéis.
A pesquisa demonstra também que a detecção da radiação infravermelha se dá de modo diferente do que acontece com a visão da luz comum. No olho, é a luminosidade que ativa substâncias chamadas opsinas, que a convertem em um sinal eletroquímico. No caso da fosseta loreal, a informação captada do ambiente é convertida por um mecanismo térmico.
Na maioria dos sentidos, células receptoras especializadas detectam o estímulo do ambiente e transmitem sinais para fibras nervosas adjacentes, lembram os autores do estudo. Mas no caso da fosseta, terminais nervosos são eles próprios os detectores da radiação.
A diferença de sensibilidade ao infravermelho entre jiboias e cascavéis fizeram os biólogos questionarem se o "receptor de wasabi" teria o mesmo papel nos dois grupos de ofídios.
Eles lembram que essas duas cobras se separaram há 30 milhões de anos na história da evolução dos seres vivos. Apesar das diferenças, porém, se constatou que o TRPA1 tinha o mesmo papel na duas serpentes.

Nenhum comentário: