ShopTorres

segunda-feira, 17 de maio de 2010

Prédio do Butantan não tinha sistema anti-incêndio

17/05/2010 - 07h56

Prédio do Butantan que pegou fogo não tinha sistema anti-incêndio

LETICIA DE CASTRO
da Reportagem Local
O prédio do Instituto Butantan que pegou fogo no sábado (15), onde ficavam os acervos de serpentes e artrópodes em formol e álcool, não tinha sistema automático de combate a incêndio. Projetado nos anos 1960, contava apenas com extintores, que deveriam ser acionados manualmente.
Polícia vai abrir inquérito para apurar causa de incêndio
Incêndio no Butantan destrói maior coleção de cobras do mundo
Bombeiros controlam incêndio em laboratório do Butantan
Incêndio atinge laboratório do Instituto Butantan em SP
Em dezembro, um grupo de curadores encaminhou à Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) um projeto de melhorias estruturais e administrativas nos acervos do Butantan orçado em cerca de R$ 1 milhão.

Reinaldo Canato/Folha Imagem
 Material destruído após incêndio no Butantan

Reinaldo Canato/Folha Imagem 

Um dos pontos destacados era a necessidade de instalação de sistemas de detecção de fumaça e combate automático a incêndio. Assim que o calor e a fumaça fossem detectados, um alarme seria disparado e gás seria liberado para apagar o fogo.
No sábado, o incêndio começou às 7h45. Não havia ninguém no prédio para acionar os extintores e grande parte do acervo foi destruída --o local abrigava a maior coleção de cobras do mundo. Procurada pela Folha, a Fapesp não se pronunciou.
Um dia após o evento, o clima ontem entre os funcionários do Butantan era de desolação e indignação. "É uma tragédia da proporção do incêndio da biblioteca de Alexandria", disse o curador da coleção de serpentes, Francisco Luís Franco.
Amanhã, quando o prédio interditado deve ser liberado para os funcionários, ele pretende fazer um levantamento mais exato da perda. "Só a coleção de serpentes tinha 85 mil exemplares. É possível que alguns não tenham sido queimados. Vamos fazer esse resgate."
Para esse trabalho, Franco vai contar com cientistas que viajaram de outros Estados para ajudar na reorganização dos acervos. É o caso do biólogo da UFRJ Paulo Passos, que veio do Rio logo que teve a notícia.
"Vim com um grupo de pesquisadores para tentar ajudar. Ficamos chocados com a notícia", disse Passos.
Entre os funcionários, a hipótese que se discute sobre a causa do incêndio é uma obra no gerador do prédio. O equipamento teria sido desligado para revisão e, ao ser ligado novamente, teria sobrecarregado a rede elétrica e provocado um curto-circuito.
Em meio à grande quantidade de álcool no local, uma mera faísca pode ter provocado o estrago. "Temos que usar essa tragédia como bandeira para convencer a sociedade a estabelecer políticas de preservação dos acervos", disse Franco.
Improviso
Funcionário do instituto há 34 anos, o serpentista Antonio Carlos Barbosa teve que improvisar. Ele é responsável por receber e armazenar os animais levados ao instituto.
Com a interdição do prédio após o incêndio, teve que abrigar em sua casa os dez bichos entregues --incluindo um jabuti, que ficou livre no quintal, uma jararaca, guardada dentro de uma caixa, uma aranha e mais três cobras dormideiras, armazenadas em vidros.
As coleções de cobras e artrópodes perdidas no incêndio --o maior acervo do tipo no mundo-- eram usadas em pesquisas científicas e ajudavam a estabelecer critérios para políticas de saúde. Decisões como o tipo de soro enviado para cada Estado eram tomadas levando em conta informações obtidas ali.
"Pesquisadores que estavam fazendo mestrado ou doutorado perderam o trabalho de anos com isso", disse o biólogo Rodrigo Gonzalez, 29, bolsista da Fundap (Fundação do Desenvolvimento Administrativo).
Hoje, a Polícia Civil decidirá se instaura inquérito para investigar o incêndio. O laudo pericial só deve ser divulgado daqui a um mês.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u736124.shtml

Nenhum comentário: