ShopTorres

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Aparelho mede pressão do cérebro sem furar o crânio

19/01/2011 - 08h47

Aparelho mede pressão do cérebro sem furar o crânio

GUILHERME GENESTRETI
DE SÃO PAULO

Uma nova técnica para medir a pressão interna do crânio foi desenvolvida por pesquisadores da USP.
O método não requer a perfuração do crânio e é mais barato do que o usado hoje.
A tecnologia, criada por uma equipe da USP de São Carlos, já foi testada em oito pacientes do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto.
O monitoramento é necessário quando há suspeita de aumento da pressão do crânio, como em derrames, tumores cerebrais, traumatismos e hidrocefalia.
No método tradicional, os médicos perfuram a calota craniana para medir a alteração da pressão com um sensor, o que pode causar infecções pelo contato entre o cérebro e o meio externo.
Com a nova técnica, é feita uma incisão no couro cabeludo e um sensor é colado no crânio, sem perfurar o osso.
"É muito difícil haver infecção e, se houver, será na pele e de fácil tratamento", diz o farmacêutico-bioquímico Gustavo Frigieri, que fez os testes com o equipamento em sua tese de doutorado.
"O corte na cabeça pode ser feito em ambulância, ambulatório e não precisa nem de centro cirúrgico."
Segundo o físico Sérgio Mascarenhas Oliveira, coordenador do grupo que desenvolveu a tecnologia, a técnica pode beneficiar centenas de milhares de pessoas.
"O número de traumas é muito grande, sobretudo no trânsito", diz.
Para medir a pressão sem furar o osso, a equipe de Mascarenhas usou um sensor que mede a deformação de materiais na engenharia.
O equipamento foi adaptado para o uso em seres humanos e mede a pressão pela dilatação do crânio. "Quanto maior a pressão, maior a dilatação", diz Frigieri.

Editoria de Arte/Folhapress
CUSTO
O equipamento da USP é mais barato do que o utilizado hoje: o sensor custa R$ 400 e o monitor, R$ 5.000.
Já o método tradicional usa equipamentos importados. Segundo Frigieri, o monitor custa cerca de R$ 50 mil e um sensor descartável, pelo menos R$ 1.500.
Além disso, a nova tecnologia não requer uma equipe de cirurgiões; basta um médico que faça o corte na pele e que seja treinado a operar a máquina.
Os pesquisadores esperam que, com o baixo custo, a tecnologia possa ser oferecida no Sistema Único de Saúde, que não cobre os gastos do monitoramento tradicional, usado só na rede privada e em hospitais universitários, segundo o pesquisador.
MAIS TESTES
Para José Marcus Rotta, presidente da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia, a técnica traz avanços.
Segundo ele, o aparelho pode adiantar o trabalho se o paciente tiver sofrido traumatismo longe do hospital.
"Seria fantástico usá-la numa ambulância, já que não se pode fazer a perfuração do paciente na rua."
Mas ele lembra que, em alguns casos, a perfuração do crânio é feita não só para monitorar a pressão mas também para tratar o problema. Além disso, o médico diz que mais testes são necessários.
Os pesquisadores da USP esperam atingir a marca de 30 pacientes monitorados com o novo equipamento e registrá-lo na Anvisa até o final do ano para iniciar sua comercialização.
 http://www1.folha.uol.com.br/equilibrioesaude/862735-aparelho-mede-pressao-do-cerebro-sem-furar-o-cranio.shtml

Nenhum comentário: