ShopTorres

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A volta da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii)



26/02/2013 - 18h30

Projeto traz dois exemplares de ararinha-azul de volta ao Brasil

DE SÃO PAULO


Dois exemplares da ararinha-azul (Cyanopsitta spixii), que eram mantidos em cativeiro na Alemanha, chegam hoje (26) em São Paulo. A repatriação das aves é uma das ações do projeto Ararinha na Natureza, que tem como objetivo devolver à Caatinga brasileira essa espécie que desapareceu da região há mais de uma década.
A ararinha-azul é conhecida por ter "estrelado" a animação "Rio" --é essa a espécie do protagonista Blu. Hoje, somente quatro ararinhas compõem a população reprodutiva no Brasil, de acordo com o ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

Ararinha-azul de criadouro em SP, um dos quatro exemplares que compõem atualmente a população reprodutiva no Brasil



"O objetivo é ter indivíduos suficientes em cativeiro para efetuar a reintrodução em seu habitat natural daqui a alguns anos", disse Camile Lugarini, coordenadora do PAN (Plano de Ação Nacional para a Conservação da Ararinha-azul), coordenado pelo ICMBio.
As aves passaram por exames clínicos seguindo as exigências do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e foram embarcadas em voo comercial em caixotes especiais. Após o desembarque, as ararinhas serão levadas para a Estação Quarentenária de Cananéia (SP), onde ficarão em quarentena. Depois as aves se juntarão a outros exemplares que estão em cativeiro no Brasil, para a reprodução.
O PAN foi instituído pelo ICMBio em fevereiro de 2012 e prevê uma série de medidas para aumentar a população das aves manejada em cativeiro, além de recuperar e conservar o habitat da espécie até 2017.
A transferência das aves tem como parceiros o ICMBio, organizações da sociedade civil sem fins lucrativos (SAVE Brasil e Funbio, via carteira Fauna Brasil) e a Vale.
NO EXTERIOR
A repatriação faz parte das ações do governo brasileiro e parceiros para reintroduzir a ararinha-azul na natureza. A espécie brasileira é nativa da Caatinga. Considerada extinta em ambiente natural desde 2000, atualmente há no mundo apenas 80 indivíduos, mantidos em programas de cativeiro. A maioria encontra-se em mantenedores no exterior (Espanha, Alemanha e Quatar).
Em abril, será feita a repatriação de um novo grupo de ararinhas que virão da Espanha.
Atualmente a ararinha-azul é um dos animais mais ameaçados do planeta, devido ao histórico de destruição de seu habitat e a intensa captura para o comércio ilegal. Por isso, a espécie tornou-se símbolo mundial da importância de preservação da biodiversidade.
Como a possibilidade de existirem indivíduos na natureza é remota, o aumento populacional em cativeiro para a reintrodução na natureza é a única esperança para a recuperação da ararinha no seu habitat original.

Nenhum comentário: