ShopTorres

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Desastre no Golfo do México com vazamento de petróleo

30/04/2010 - 13h28

Flórida declara estado de emergência por ameaça de vazamento de petróleo

Colaboração para a Folha
O governador da Flórida, Charlie Crist, declarou nesta sexta-feira estado de emergência neste estado do sudeste dos Estados Unidos ante o avanço de uma mancha de petróleo por um derramamento que se estende no golfo de México.
Crist assinou a declaração de emergência para os condados de Escambia, Santa Rosa, Okaloosa, Walton, Bay e do Golfo, no setor noroeste da Flórida, que são os mais expostos ao vazamento de petróleo.
Petroleira BP assume responsabilidade por vazamento nos EUA
EUA ampliam reação a vazamento de petróleo no golfo do México
Mancha de óleo atinge costa da Louisiana
EUA declaram que BP deve financiar custo de despoluição
Empresa responsável por vazamento pede ajuda ao governo dos EUA
Com a declaração de estado de emergência, a Flórida receberá ajuda do governo federal para fazer frente a uma eventual catástrofe natural.
Greenpeace/AP  
Mancha de óleo no Golfo do México; EUA encontraram mais um ponto de vazamento na plataforma que explodiu

O governo dos EUA ampliou os esforços para evitar que o petróleo que vazou provoque um desastre ambiental ao se aproximar da foz do rio Mississippi.
O presidente Barack Obama prometeu "usar todo e qualquer recurso disponível", e os militares estão mobilizados para combater o vazamento, que ameaça atingir o litoral de quatro Estados do sul dos EUA --Texas, Louisiana, Alabama e Flórida, com potencial para afetar a pesca, a preservação ambiental e o turismo.
O poço, que ficava sob uma plataforma que explodiu e pegou fogo na semana passada, está soltando até 5.000 barris (quase 800 mil litros) de petróleo bruto por dia, segundo a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica. Isso é cinco vezes a quantidade estimada anteriormente.
A secretária federal de Segurança Doméstica, Janet Napolitano, disse que se trata de "um vazamento de significado nacional", o que significa que recursos federais de outras regiões podem ser usados.
Obama disse que a empresa britânica BP, dona do poço, terá de arcar com os custos da limpeza. As ações da BP e de outras empresas envolvidas na exploração de petróleo no poço despencaram.
O acidente pode também influir em propostas do governo, algumas já submetidas ao Congresso, para que sejam concedidas novas autorizações para a prospecção de petróleo nas águas norte-americanas do golfo do México.
A Marinha disse estar fornecendo à Guarda Costeira botes infláveis e sete sistemas de "escumadeira" para tentar conter a mancha de óleo.
Em Mobile, Alabama, um oficial da Guarda Costeira disse que a população está se preparando para um "impacto costeiro", embora não seja possível prever exatamente quando.
Esse oficial disse que 500 mil varas estão preparadas para serem instaladas na superfície marítima, a fim de segurar a película de óleo.
A BP e a Guarda Costeira montaram aquilo que a empresa diz ser a maior operação de contenção de vazamentos petrolíferos na história, envolvendo dezenas de embarcações e aeronaves.
A empresa britânica admitiu, no entanto, que enfrenta dificuldades para conter a origem do vazamento, já que a boca do poço está mais de 1.500 metros abaixo da superfície do mar. A BP pediu ao Pentágono para usar imagens militares e veículos teleguiados para tentar tapar o poço.
A explosão da plataforma, ocorrida há 11 dias, deixou 11 trabalhadores desaparecidos.
Louisiania
O governador da Louisiana, Bobby Jindal, declarou estado de emergência e pediu verbas ao Departamento de Defesa para mobilizar até 6.000 soldados da Guarda Nacional, que ajudarão no eventual trabalho de limpeza.
Na noite de quinta-feira (29), a mancha de petróleo estava a apenas 5 km de uma área de preservação ambiental em um manguezal no delta do Mississippi, região de particular preocupação para os ambientalistas, devido à riqueza do seu ecossistema e à dificuldade de recuperar a área.
Outros Estados
Além da Flórida e da Louisiania, os Estados de Mississippi e Alabama também estão ameaçados pelo vazamento.
O governo dos Estados Unidos anunciou na quinta-feira (29) que considera a mancha de petróleo na costa do país um "evento de importância nacional", o que permite que as autoridades levantem recursos em todo o país para lidar com a situação.
http://www1.folha.uol.com.br/folha/ambiente/ult10007u728339.shtml

Nenhum comentário: