ShopTorres

quinta-feira, 4 de fevereiro de 2010

Seu cheiro pode atrair mosquitos da malária.


04/02/2010 - 08h53

Grupo revela como mosquito da malária escolhe alvos

RICARDO BONALUME NETO
da Folha de S. Paulo
Uma equipe de pesquisadores identificou as proteínas que o mosquito da malária usa para localizar suas vítimas pelo cheiro. O achado abre a possibilidade de criar melhores repelentes ou armadilhas para o inseto transmissor da moléstia.
Outros dois grupos de cientistas acharam uma enzima essencial para penetração das células sanguíneas pelo parasita, que poderá servir de alvo para medicamentos semelhantes usados com sucesso contra o vírus da Aids, o HIV, as drogas inibidoras de protease.

Anopheles albimanus, transmissor da malária, pica humano; para ele, algumas pessoas têm cheiro mais atraente


Juntas, as pesquisas oferecem novas estratégias contra a doença, que atinge centenas de milhões de pessoas, tem metade da população do planeta em áreas de risco e causa quase 1 milhão de mortes a cada ano.
Insetos detectam cheiros através de neurônios receptores olfativos. A equipe de John Carlson, da Universidade Yale, EUA, inseriu os genes desses receptores presentes em mosquitos em moscas-das-frutas transgênicas da espécie Drosophila melanogaster com "neurônios vazios", isto é, um neurônio olfativo mutante que não tem o seu receptor próprio.
Dissecação
A pesquisa envolveu um trabalho paciente e delicado, desde a dissecação dos mosquitos para extrair seu DNA até a inserção dos genes nas moscas e a medição dos impulsos elétricos causados pelos odores.
Foram inseridos 72 genes diferentes de mosquitos da espécie Anopheles gambiae, principal transmissor da doença na África, dos quais 50 tornaram-se funcionais.
E cada um deles foi testado com 110 diferentes substâncias odoríferas --gerando um banco de dados de 5.500 combinações de receptores-odores. Também foram feitas comparações com os receptores das moscas-das-frutas.
"Nós identificamos vários compostos que ativam fortemente muitos desses receptores. Estamos também buscando compostos que os inibam", declarou Carlson à Folha.
"Alguns desses compostos ativadores e inibidores podem ser muito úteis para atrair mosquitos a armadilhas, repeli-los ou confundi-los", completou ele, que ressalta: "Desenvolver um produto efetivo vai provavelmente levar vários anos."
No Brasil, o principal transmissor da malária é de outra espécie, o A. darlingi. "É possível que alguns dos resultados do nosso trabalho sejam aplicáveis a outros mosquitos vetores de doenças", diz Carlson.
Sangue doce
Uma das substâncias que provocaram forte ativação foi o indol, presente no suor humano. Já os ésteres e aldeídos não obtiveram muito sucesso com os receptores do mosquito, mas ativaram fortemente os das moscas -algo que se explica pela sua forte presença nos odores exalados por frutas.
"Algumas pessoas parecem ser muito mais atraentes para os mosquitos do que outras, e a base olfativa disso é um foco de estudo empolgante e atual", acrescenta Carlson. Ou seja, para o mosquito, há gente que é "cheiro bom" ou "sangue bom", e há quem é menos.
O estudo de Carlson e mais quatro colegas vai ser publicado em edição futura da revista científica britânica "Nature", mas já está disponível no site da publicação para os assinantes.
Inspiração na Aids
A mesma revista publicou dois artigos de duas equipes distintas de pesquisadores com a descoberta da enzima envolvida na infecção das células vermelhas do sangue pelo parasita da malária.
Uma das equipes é liderada por Alan Cowman, do Instituto de Pesquisa Médica Walter & Eliza Hall (Austrália), e a outra é comandada por Daniel Goldberg, da Universidade Washington em Saint Louis, EUA.
Quando infecta um glóbulo vermelho, o parasita da malária injeta nele centenas de proteínas que ajudam a enganar o sistema de defesa do organismo e modelam a célula humana para suas necessidades.
As duas equipes agora identificaram uma protease --enzima que quebra proteínas-- fundamental para a viabilidade do parasita, a chamada plasmepsina 5.
"Sua identificação como uma enzima crítica para a exportação de proteína provê um importante alvo para o desenvolvimento de novos antimaláricos", escreveram Cowman e colegas.
Eles completam que "inibidores de protease do HIV-1 têm sido tratamentos bem sucedidos no combate ao HIV e, por isso, esses inibidores podem prover uma plataforma para o design de novos compostos antimaláricos."

http://www1.folha.uol.com.br/folha/ciencia/ult306u689182.shtml

Nenhum comentário: